sábado, 7 de junho de 2014

7º dia de viagem: Trilha em San Martin de Los Andes



Depois de uma ótima noite de sono, acordamos as 9h, preparamos o café da manhã, fizemos supermercado, embalamos sanduíches para o almoço, guardamos as garrafas d'água na mochila e saímos para fazer uma trilha ao redor do lago Lácar. 

Na praça principal da cidade há um serviço de informação do parque nacional Lánin. Lá nos informamos das trilhas que estavam abertas na temporada. Como não queríamos gastar dinheiro com locomoção e pelo que entendemos não dava para ir de ônibus até as entradas mais distantes, preferimos fazer uma trilha que começa dentro da cidade, e vai subindo, meio que contornando o lago.
A trilha, apesar de não ser tão bonita quanto a que fizemos em Pucón, tem uma vista muito boa do lago Lácar, que é incrível!

                                          Começando a desbravar.

                                                   Vista para o lago.


Ao todo fizemos 4 horas e meia de caminhada, 3 na ida (nos perdemos em alguns momentos) e 1 h e 30 min na volta.
A primeira etapa da trilha é bem curta, e da acesso ha um mirante com vista para o lago.

                                                      Vista do mirante.

Nessa parte, encontramos um cachorro muito fofo que teimou em nos seguir pelo resto do caminho. A companhia dele nos divertiu bastante e até paramos algumas vezes perto de alguns córregos para ele beber água. 

                                         Nosso novo companheiro de trilha.

A continuação dessa trilha é um pouco confusa e algumas pessoas que encontramos pelo caminho preferiam voltar nessa parte, mas como queríamos chegar até o próximo mirador, continuamos. 
Primeiro, seguimos por um caminho bem estreito q acabou ficando cada vez menor até que percebemos que tínhamos pego o caminho errado. Depois q entendemos o erro foi fácil achar a continuação, que voltou a ficar mais aberta e deu para seguir tranquilamente.                                                                                         
                                                  Começando a se perder . 


                                                        Voltando para o caminho correto.


Mais ou menos após 1 h e 30 min de caminhada, chegamos a um caminho de terra que tem várias placas sinalizando os miradores próximos. O que queríamos inicialmente estava perto (apenas 30 min) mas achamos a distância muito pequena e decidimos ir para outro.

O problema foi que essa parte da trilha não era coberta por árvores e o caminho ficou muito esquisito. O sol começou a incomodar bastante (o suficiente para me deixar com o rosto todo queimado) e a paisagem mudou consideravelmente. Passamos por pequenas fazendas, campings, cachorros presos que latiam bastante, carros passando na estrada, criações de animais... até que depois de 1h andando, preferimos voltar quando uma senhora nos aconselhou a ter cuidado e não andar com a câmera na mão.

Voltamos então para o começo da estrada de terra, almoçamos, e seguimos até o mirador que estava nos planos desde o começo, o que valeu bastante a pena. Lá de cima da para ver a cidade quase toda e os picos congelados. Uma imagem muito bonita!

                                                     Esforço recompensado.


Cansados e bronzeados do sol, voltamos para o começo da trilha, deixamos nosso amigo cachorro na entrada (com tristeza, pois ele foi nosso companheiro), e voltamos para o hotel. O cachorro ainda nos seguiu por um tempo, até que desistiu.

Tomamos banho, nos vestimos e fomos trocar dinheiro. Não fomos nas casas de câmbio oficiais pois, na Argentina, existe um câmbio paralelo que é bem mais em conta que a cotação oficial. (conseguimos 3,20 pesos por 1 real).

Como tínhamos bastante tempo livre, preferimos comprar logo a ida para Bariloche (compramos para as 10 h do dia seguinte). As passagens são vendidas por preços diferentes de acordo com o percurso que se quer fazer para chegar lá: direto ou passando pela rota dos 7 lagos. Preferimos a dos 7 lagos, lógico. O valor é um pouco mais caro mas vale a pena. 
Nossas passagens foram compradas na empresa ALBUS por 210 pesos argentinos (valor para 2 pessoas). 

Após garantirmos as passagens fomos no supermercado comprar algumas cervejas. Na volta nos deparamos com a comemoração de algum time que havia ganhado o campeonato de futebol. As ruas estavam cheias de gente cantando e andando em mutirão. Foi bem interessante assistir essa cena, a cidade irradiava alegria.

Ficamos a toa caminhando por um tempo até que preferimos voltar para o hotel. Pagamos a hospedagem, preparamos o jantar, tomamos nossas cervejas, organizamos parcialmente as malas e nos preparamos para nos despedir do charme de San Martin e seguir viajem  rumo a Bariloche.

GASTOS DO DIA:  07/10/2013.

Pagamento hotel: 680 pesos
Supermercado:
água: 6.50 pesos
pimenta: 8.68 pesos
queijo: 13,29 pesos
presunto: 8,47 pesos
2 cervejas de 600 ml: 25,98
Passagens para Bariloche: 210 pesos

TOTAL: 952,98 pesos argentinos.

*Não vou colocar a conversão dos valores em reais, pois devido a troca para dólar e as cotações diferentes que encontramos fica muito complicado fazer o cálculo certo. Em breve farei o balanço final da viajem em reais, baseado no quando levamos e no quanto sobrou.

3 comentários:

  1. Corinne Sciortino23 de junho de 2014 20:17

    Oi Rebeca! Muito legal o seu blog! Eu estou planejando uma viagem agora para San Martin e estava pesquisando sobre o câmbio paralelo, mas não consegui descobrir um lugar de confiança onde trocar. Você lembra onde foi que vc trocou o seu dinheiro no paralelo lá em San Martin? Muito obrigada! :)

    ResponderExcluir
  2. Que bom que gostou do blog, fico muito feliz em saber. Não lembro exatamente onde foi que troquei, mas foi fácil encontrar. Na parte central da cidade tem várias lojas, lá vc entra nas lojas e pergunta se alguma delas cambia real, ou dólar, eles vão te sugerir essa. Não tem nenhum aviso na parte de fora, então tem que entrar mesmo para saber. Como a cidade é pequena fica fácil achar. A loja é toda arrumadinha e é seguro trocar lá. Lojas são os lugares mais seguros para fazer o câmbio paralelo, então pode ficar tranquila.

    ResponderExcluir
  3. Qualquer dúvida, pergunta onde vc for se informar, eles indicam bons lugares

    ResponderExcluir